Moonlight in Oporto

image

Não podia deixar de partilhar este luar inspirador que iluminou a cidade do Porto hoje à noite.
Que a luz esteja sempre presente nas nossas vidas. Boa noite

Do Porto com Amor,
Catarina

Anúncios

O Porto também é #trás-os-montes

Como boa patriota que sou nunca seria capaz de renegar a minha “costela transmontana”.. os últimos dia levaram-me a uma visita infeliz e inesperada à aldeia onde nasceu o meu pai: Mascarenhas.

Pertencente ao concelho de Mirandela no coração de trás-os-montes, esta freguesia ainda conserva uma população de cerca de 500 habitantes (dados dos Censos 2011) o que contraria um pouco a tendência da maioria da aldeias portuguesas que têm vindo ver o seu destino aproximar-se do isolamento e desertificação.

Apesar de ter perdido há muito parte da sua actividade e juventude, Mascarenhas ainda conserva o espírito invejável dos transmontanos, a simpatia, hospitalidade, solidariedade… Passar na rua logo pela manha e avistar rostos afáveis que nos cumprimentam, fazendo-nos sentir felizes com a retribuição que lhes damos, é uma experiência que não tinha há muito tempo.

As paisagens, as pessoas e as delicias gastronómicas de trás-os-montes são maravilhosas e penso que até hoje influenciam os modos de vida dos habitantes do Norte do país tornando-os autênticos e inimitáveis.  Recomendo a todos uma visita pelo magnifico património histórico que nos oferecem estas aldeias do Nordeste Transmontano esperando, eu própria, brevemente poder voltar.

 

20140214_130402

20140214_123234-001

20140214_123308

20140214_123328

20140214_123357

20140214_123445

20140214_123500

20140214_123513

20140214_123740

20140214_123952

20140214_123959

20140214_130345

Do Porto com Amor,

Catarina.

 

 

#inspiration

Saudades

Saudades! Sim.. talvez.. e por que não?…
Se o sonho foi tão alto e forte
Que pensara vê-lo até à morte
Deslumbrar-me de luz o coração! 

Esquecer! Para quê?… Ah, como é vão!
Que tudo isso, Amor, nos não importe.
Se ele deixou beleza que conforte
Deve-nos ser sagrado como o pão.

Quantas vezes, Amor, já te esqueci,
Para mais doidamente me lembrar
Mais decididamente me lembrar de ti!

E quem dera que fosse sempre assim:
Quanto menos quisesse recordar
Mais saudade andasse presa a mim!

Florbela Espanca, in “Livro de Sóror Saudade”